quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Facebook

Pessoal!

A Cia Subversiva está com uma página no facebook onde todas as novidades serão postadas!
Então, querendo nos encontrar, dá um pulinho lá!

www.facebook.com/ciasubversiva




Marcadores: , , ,

domingo, 24 de novembro de 2013

Prelúdio Intenso - Hilda Hilst em Concerto Poético




Pra quem não viu...
Ou pra quem viu e quer ver de novo!!!





Marcadores: , , , , ,

sábado, 23 de novembro de 2013

É amanhã!

Gentes!!!!

É amanhã! Esperamos todos vocês!

Préludio Intenso - Hilda Hilst em concerto poético. 
24 de novembro, domingo, às 18h, no Ciranda Café  

(Rio Vermelho).

http://1.bp.blogspot.com/-WR7xIiBPaus/UoludC5CaLI/AAAAAAAAAWc/Amojc_zjvzE/s1600/HILDA_Ciranda.jpg

Marcadores: , , ,

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Kadosh


"Os haveres. São necessários quando se quer morrer.
O poder aquisitivo. Bom, isso não é comigo."
(pág. 153)

Marcadores: , , ,

O Caderno Rosa de Lori Lamby




"Às  vezes eu pensava que a vida 
não tinha o menor sentido mas logo depois
 não pensava mais porque a gente nem sabia pensar, 
e não dava tempo de ficar pensando 
no que a gente nem sabia fazer: pensar."
(pág. 42)

Marcadores: , , ,

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Poemas aos Homens do Nosso Tempo




Enquanto faço versos, tu decerto vives.
Trabalhas tua riqueza, e eu trabalho o sangue.
Dirás que sangue é o não teres teu ouro
E o poeta te diz: compra o teu tempo

Contempla o teu viver que corre, escuta
O teu ouro de dentro. É outro o amarelo que te falo.
Enquanto faço versos, tu que não me lês
Sorris, se do meu verso ardente alguém te fala.
O ser poeta te sabe a ornamento, desconversas:
"Meu precioso tempo não pode ser perdido com os poetas".
Irmão do meu momento: quando eu morrer
Uma coisa infinita também morre. É difícil dizê-lo:
MORRE O AMOR DE UM POETA.
E isso é tanto, que teu ouro não compra,
E tão raro, que o mínimo pedaço, de tão vasto

Não cabe no meu canto.

(Poemas aos Homens do nosso tempo, XVI)

Marcadores: , , ,

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Fluxo-Floema




"Mas agora não consigo 
voltar ao meu corpo, 
oh como é difícil 
deixar de ser o universo 
e voltar a ser apenas eu."
(pág. 27)

Marcadores: , , ,