sábado, 23 de novembro de 2013

É amanhã!

Gentes!!!!

É amanhã! Esperamos todos vocês!

Préludio Intenso - Hilda Hilst em concerto poético. 
24 de novembro, domingo, às 18h, no Ciranda Café  

(Rio Vermelho).

http://1.bp.blogspot.com/-WR7xIiBPaus/UoludC5CaLI/AAAAAAAAAWc/Amojc_zjvzE/s1600/HILDA_Ciranda.jpg

Marcadores: , , ,

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Kadosh


"Os haveres. São necessários quando se quer morrer.
O poder aquisitivo. Bom, isso não é comigo."
(pág. 153)

Marcadores: , , ,

O Caderno Rosa de Lori Lamby




"Às  vezes eu pensava que a vida 
não tinha o menor sentido mas logo depois
 não pensava mais porque a gente nem sabia pensar, 
e não dava tempo de ficar pensando 
no que a gente nem sabia fazer: pensar."
(pág. 42)

Marcadores: , , ,

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Poemas aos Homens do Nosso Tempo




Enquanto faço versos, tu decerto vives.
Trabalhas tua riqueza, e eu trabalho o sangue.
Dirás que sangue é o não teres teu ouro
E o poeta te diz: compra o teu tempo

Contempla o teu viver que corre, escuta
O teu ouro de dentro. É outro o amarelo que te falo.
Enquanto faço versos, tu que não me lês
Sorris, se do meu verso ardente alguém te fala.
O ser poeta te sabe a ornamento, desconversas:
"Meu precioso tempo não pode ser perdido com os poetas".
Irmão do meu momento: quando eu morrer
Uma coisa infinita também morre. É difícil dizê-lo:
MORRE O AMOR DE UM POETA.
E isso é tanto, que teu ouro não compra,
E tão raro, que o mínimo pedaço, de tão vasto

Não cabe no meu canto.

(Poemas aos Homens do nosso tempo, XVI)

Marcadores: , , ,

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Fluxo-Floema




"Mas agora não consigo 
voltar ao meu corpo, 
oh como é difícil 
deixar de ser o universo 
e voltar a ser apenas eu."
(pág. 27)

Marcadores: , , ,

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Contos D' Escárnios. Textos Grotescos


"Resolvi escrever este livro porque ao longo da minha vida tenho lido tanto lixo que resolvi escrever o meu. Sempre sonhei ser escritor. Mas tinha tal respeito pela literatura que jamais ousei. Hoje, no entanto, todo mundo se diz escritor. E os outros, os que leem, também acham que os idiotas o são. É tanta bestagem em letra de forma que pensei, por que não posso escrever a minha? A verdade é que não gosto de colocar fatos numa sequência ortodoxa, arrumada. Os jornais estão cheios de histórias com começo, meio e fim."
(pág. 14)

Marcadores: , , ,

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Mais Hilda!

Gentes,

pra aquecer pro nosso encontro poético, vamos postar aqui alguns trechos da obra de Hilda, selecionados, organizados e apresentados por Luisa Destri no livro (MARAVILHOSO!!!!) "Uma superfície de gelo ancorada no riso - Antologia Hilda Hilst", Editora Globo.

Pra começar...

"Nenhum de nós quer morrer. 
Queremos ficar, ainda que seja a marretadas,
no coração do outro. Nenhum de nós quer 
não ser. Aliás, como seria não ser mais, 
já tendo sido um dia?"

(Cascos & Carícias & Outras Crônicas, pág. 224)

Marcadores: , , ,

domingo, 17 de novembro de 2013

Hilda vem chegando...

Gente querida!

Está chegando mais um encontro poético da Cia. Subversiva de Dizedores de Versos!

Préludio Intenso - Hilda Hilst em concerto poético. 
Dia 24 de novembro, domingo, às 18h, no Ciranda Café (Rio Vermelho).





Um olhar que sempre nos intima a ver de outro jeito. Sem pudor ou rodeios, rasga véus, ironiza e desconcerta. Hilda Hilst é assim: sacode a poeira da inércia. Desafia a mesmice. Impacta e convoca. É a goela escancarada da esfinge... No dia 24 de novembro, às 18h, o Ciranda Café será palco de mais um encontro poético da Cia. Subversiva de Dizedores de Versos, “Prelúdio intenso – Hilda Hilst em concerto poético".

Percorrer o labirinto de cada poema escolhido. Tatear sentido numa interlocução enlouquecida e sem certezas. Segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses... Fomos devorados! Ficamos imersos no ventre de uma escuta infinita. Assim foi gestado este recital. Agora, queremos (precisamos!) nascer desse ventre e compartilhar.

É chegada a hora. E com Hilda em Hilst, aguardamos vocês!